segunda-feira, 7 de maio de 2012

INTRODUÇÃO, texto de Isaac Starosta



                                   "INTRODUÇÃO"

Seguidamente faço descobertas com muita alegria. Assim, um dia desses, eu me deparei com uma gravação antiga, e raríssima, no campo do Long Play. Porém em nenhum cantinho da mesma consegui captar o ano de sua edição.
O disco em referência faz parte dos primeiros lançamentos da Gravadora Mocambo, de José Rozenblit, em Recife, Pernambuco. Era uma “Introdução”  que visava a divulgar a Bossa Nova,  deve ter surgido lá entre as décadas de 1950-60 e até agora não mereceu  nenhuma referência  no Google nem na imprensa musical.
  A Fábrica Rozenblit, que  nem existe mais,  pertenceu a uma família judia, ao que tudo indica de imigrantes da primeira metade do século XX, tal como aconteceu com uma família mais antiga, a dos Figner, que introduziram a marca Odeon no Rio de Janeiro. E assim aconteceu com as fábricas de automóveis Mercedes Benz na Alemanha e General Motors nos Estados Unidos, iniciadas por judeus que, em condições adversas, de imigrantes, tiveram de desenvolver ao máximo a própria  criatividade para garantir a sobrevivência melhorando de vida continuamente.
 Mas voltando ao nosso  LP, ele possui na capa um letreiro de sílabas separadas assim: "In-tro-DUÇÃO", algumas letras em preto outras em branco, ao fundo perfis de edifícios modernos, e algumas notas musicais. Na parte inferior da capa, uma lista em vermelho destaca a imagem de uma figura juvenil onde,  em letras brancas, está escrito “Teenager Series”, curiosa referência ao que seria a Jovem Guarda dos adolescentes daquela época que começavam a despontar na cultura de massa brasileira. 
Acrescento mais dados técnicos do disco:
                        Produção - Bernardo Sonderman
                        Direção artística - Djalma Cavalcante
                        Técnica de som - Julio Anidez
                        Capa – André
                        Entre as faixas do disco, aponto as músicas muito bem sucedidas para uma incipiente Bossa Nova:
                        - “Onde está você”, de Oscar Castro Neves, por Patrícia.
                        - “Morte de um Deus de Sal”, de Menescal e Bôscoli, pelo conjunto Impulso 4.
                        - “Maria Moita”, de Carlos Lyra, por Silvinha (suponho que seja a Silvinha Telles)
                        - “A Felicidade”, de A. C. Jobim e Vinicius, pelo Quinteto Berimbossa.
                        Segundo o autor do texto da capa,  “IINTRODUÇÃO é mais uma afirmação de que nestes últimos anos os temas de ‘bossa’ atingem uma força popular que há muito não se via, consequência lógica da nova forma rítmica e criadora que se imprime à música popular brasileira”.

                        Lembro ainda que por essa mesma época, aconteceu, num clube judaico de Copacabana, a primeira apresentação coletiva de bossa nova, a qual foi organizada por um grupo de profissionais-liberais da coletividade. Do recital fizeram parte, entre outros, Silvinha Telles, Carlos Lyra, Menescal, e assim por diante.
                        Se alguém tiver como contribuir com novos dados para esta minha pesquisa, gostaria de sugerir os seguintes temas:
            ‘           “A influência dos judeus na Bossa Nova”;
                        “A História da Gravadora Mocambo, da Família Rozenblit, em Recife”.        

Um comentário:

  1. A PAZ

    *Agamenon Troyan

    Estive presente quando você nasceu... Você era uma criança saudável que desaguou seu medo em lágrimas ao ser retirado do seu pequeno mundo. Passou a ser amamentado com amor e carinho. Presentes chegaram aos montes, tomando conta do seu redor. Você passou a engatinhar e descobrir um novo mundo.
    Sua curiosidade era tamanha que quase aprontou uma confusão. Quando repreendido com palavras sem nexo, começava a chorar amolecendo corações. E você foi crescendo... Tornou-se um menino levado, não obedecia mais seus pais e só dava ouvidos aos maus conselhos.
    Suas atitudes revelaram o rebelde que estaria por vir. Enfim a adolescência! Garotas, carros, motos; muita adrenalina e Rock and Roll.
    Até aí nada demais, porém mais tarde vieram as drogas e com elas, a violência, o desprezo pela vida; o caos! Tentei persuadi-lo, mas não pude. Testemunhei sua alma sendo consumida pelo ódio.
    Hoje, eu observo todos os seus atos patéticos: guerras, fome, racismo, genocídio, poluição, terrorismo, queimadas, fanatismo... Tamanho estrago despertou a ira da natureza em terremotos, tornados, incêndios e tsunamis. Milhares de mortos, e, mesmo assim, você não se redimiu.
    Não posso intervir no seu destino. Tenho que permanecer aqui esperando pela sua redenção. Oxalá um dia quando em seu coração não haver um só resquício de ódio, eu possa novamente abraçá-lo, da mesma maneira quando você nasceu.



    Biografia de Agamenon Troyan

    1964: Carlos Roberto de Souza nasce em Machado-MG
    1966: Muda-se para São Paulo/SP, onde surge sua paixão pelo Cinema.
    1995: Retorna para Machado, passando a pesquisar a trajetória do Cinema local.
    2005: Edita a Revista do Cinema Machadense (1911-2005)
    2006: Compõe três letras gravadas pela banda finlandesa “Força Macabra”
    2008: Lança o livro “O Anjo e a Tempestade” sob o pseudônimo “Agamenon Troyan”.
    2008: Edita o Fanzine Episódio Cultural
    2009: Edita o Jornal Ciclone
    2010: Novo membro da Academia Machadense de Letras
    2010: Destaque do ano (Troféu Carlos Drummond de Andrade”/Itabira-MG)

    ResponderExcluir